Glaucoma

Na grande maioria das vezes, a imagem de um olho com glaucoma é exatamente igual à de um olho normal.

É uma patologia na qual ocorre o aumento da pressão intraocular (pressão dos olhos), dano no nervo óptico e perda de campo visual. É uma doença de caráter genético e traiçoeiro, pois na maioria das vezes é insidiosa, silenciosa. Não provoca dores na maioria dos pacientes. Mais de 95% dos portadores de glaucoma não sentem dor alguma, o que prejudica um diagnóstico precoce.

Dentro dos olhos, ocorre a produção de um líquido chamado humor aquoso. Esse líquido é de extrema importância para nutrir as células oculares, mas deve ser drenado e renovado constantemente. Quando existe uma falha na drenagem ou aumento na produção desse líquido, a pressão do olho aumenta. O continente (olho) não se expande no adulto. Se o conteúdo (humor aquoso) aumentar, haverá certamente aumento da pressão intraocular.
O diagnóstico precoce é a melhor forma de se precaver. A medida da pressão intraocular é extremamente importante durante a consulta com o oftalmologista. Mesmo crianças e adolescentes devem ter a pressão ocular medida.
O tratamento do glaucoma congênito é sempre cirúrgico e urgente. Quanto mais cedo detectado e tratado, melhor o prognóstico.

  1. O diagnóstico de glaucoma está baseado em três aspectos:
    • Pressão intraocular elevada;
    • Danos ao nervo óptico;
    • Perda de campo visual, diagnosticado pelo exame denominado de campimetria.

    No adulto, os tipos de glaucoma mais comuns, são:
    • Glaucoma crônico simples. Também chamado de glaucoma de ângulo aberto.
    • Glaucoma agudo. Também chamado de glaucoma de ângulo estreito ou fechado.
    Os dois são completamente distintos, com diagnóstico e tratamento diferentes. O mais comum é o crônico simples, de ângulo aberto. Ele representa perto de 90% a 95% de todas as formas de glaucoma. Esse tipo é indolor e assintomático até sua fase mais tardia. O diagnóstico inicial só é possível durante as consultas com seu médico oftalmologista.

Não se sabe a causa do glaucoma de ângulo aberto, mas sabe-se como tratá-lo para que não cause cegueira. Infelizmente, o glaucoma crônico simples de ângulo aberto ainda é uma das maiores causas de cegueira no mundo. O segundo tipo de glaucoma representa menos de 5% dos casos. Ele é chamado de agudo porque ocorre repentinamente. Aparece subitamente, com alta pressão, geralmente acima de 45 mm Hg.

A dor decorrente dessa forma de glaucoma é, na maioria das vezes, muito severa, chegando a causar náuseas e vômitos, o que pode gerar um grande equívoco de diagnóstico, pois o paciente frequentemente se queixa mais do quadro gástrico, indo procurar um médico dessa especialidade (gastroenterologista). Deve-se ficar atento aos outros sintomas desse tipo de glaucoma. Geralmente vem acompanhado de dor ocular, olho vermelho, pupila dilatada e paralítica, ou seja, não reage à luz, e a visão fica embaçada.

  1. A negligência pode ter consequências irremediáveis nos casos de glaucoma. Por isso:• Evite a protelação de procurar auxílio médico.
    • Leve o tratamento a sério.
    • Use corretamente a medicação proposta pelo seu médico oftalmologista.
    • Vá aos retornos propostos nas datas marcadas.
    • Consulte seu oftalmologista pelo menos uma vez ao ano.
    • Lembre-se: somente ele poderá diagnosticar e tratar esta patologia